10 de maio de 2009

A violência está nas nossas cabeças...

tirada da net

Ontem fiquei abismada com um documentário da BBC... de vez em quando escolhem temas bastante interessantes, sem dúvida!

O que vi ontem era sobre violência e agressividade no ser humano, um tema que me despertou desde logo a curiosidade.

O jornalista, pacifista de convicção, um pouco como eu, queria entender porque há pessoas que gostam da violência e conseguem até mesmo retirar prazer de infligir dor e sofrimento a outro ser humano.

E as conclusões a que ele conseguiu chegar foram para mim perturbadoras, sob vários prismas. Porque eu a cada passo que o documentário avançava, tentava extrapolar para a minha vida quotidiana...

Primeiro, fiquei completamente incomodada com as imagens de um evento anual na Colômbia, chamado Tinku, em que pessoas da mesma idade e tamanho se desafiavam e andavam literalmente à porrada, chegando a haver mortes daí decorrentes. O que mais me chocou, além do facto de aquilo ser natural para aquela aldeia colombiana como forma de resolução de disputas, foi a noção de violência ser exaltada e ser incutido em crianças de tenra idade... quando extrapolei, fiquei perturbada a sério, porque tenho um bebé pequeno e só quero é defendê-lo de toda a dor e sofrimento, e como tal de todas as formas de violência - física e psicológica!

Depois, o jornalista opta por outra abordagem: a de que todos nós nascemos com a agressividade «impregnada e gravada» no nosso cérebro, mas que com a socialização, aprendemos a reprimir a agressividade, porque a paz é um valor da maior parte das sociedades. Ou seja, qualquer criança até aos 3 anos de idade, é incapaz de controlar os seus impulsos agressivos. Mas com a aprendizagem de que a agressividade tem que ser controlada e reprimida, o nosso cérebro cria mudanças físicas no nosso cortéx central.

No entanto, se a agressividade for estimulada, o córtex central produz dopamina a ponto de viciar como o sexo e as drogas! Aqui perguntei-me como é que alguém fica «viciado» em violência??

Mas as duas abordagens seguintes foram ainda mais perturbadoras para mim:

- a de que a privação de sono ou a submissão constante a situações de stress podem quebrar as ligações no córtex central que permitem controlar os impulsos agressivos, e uma pessoa perfeitamente pacífica pode ter um "acesso" de agressividade e dar um tiro num vizinho incomodativo por exemplo...

- a de que se tivermos um acidente de viação ou outro qualquer que afecte o córtex central, uma pessoa perfeitamente pacífica pode efectivamente perder toda a noção dos limites da agressividade - um sr. que teve um acidente de carro e sofreu danos irreversíveis no córtex central, após uma discussão insignificante com a esposa, pegou numa arma e matou-a e aos filhos a tiro!...

E para concluir a coisa: um estudo em que numa experiência científica, as pessoas testadas eram capazes de infligir uma potência eléctrica de 450 volts a outra pessoa, apenas por pensarem que isso seria importante para o desenvolvimento da Ciência, mesmo ouvindo o desgraçado gritar (ficticiamente, claro!) com as dores dos choques eléctricos... Dos 12 testados, só 3 foram capazes de desistir da experiência por se sentirem mal ao estarem a infligir dor a outra pessoa... os outros 9 deram a descarga máxima sem a menor das preocupações, como se fosse natural...!


Isto incomodou-me deveras porque se há coisa que nunca compreendi é como é que alguém é capaz de magoar fisica e psicologicamente outra pessoa, e ainda mais se for de forma deliberada... mas acho arrepiante a ideia de que se dormir pouquíssimo durante muito tempo ou se levar uma qualquer paulada na cabeça posso simplesmente transformar-me numa «agressora» ou até mesmo numa «assassina»!...

E vai que um dia nos deparamos com um doido/a qualquer cujos «controladores» de agressividade pifaram??

Pode um Ghandi transformar-se num Mr. Hyde sem mais nem menos???

4 comentários:

Irremediavelmente Inconformado disse...

interessante, sem duvida.

eu pessoalmente sou rapazito para dormir 5h sempre que posso, durmo o minimo indispensavel pois acho uma perda de tempo. no entanto evito qualquer tipo de violencia, se bem que de vez em quando solto uns palavroes no transito que nem eu sabia que era capaz de pronunciar... enfim.

:)

mfc disse...

Pode sim...
´Não nos aconteceu uma ou outra vez termos comportamentos perfeitamente descontrolados?!
E somos seres "reprimidos"!
A sociabilidade é uma capa que nos permite conviver...
Somos vulcões não extintos.

Meia Lua disse...

Infelizmente ninguém está livre de perder a cabeça... os seres humanos têm uma pré-disposição para a violência e na maioria das vezes só necessitam um factor que a faça despoletar... isso já me dizia uma professora de psicología há muitos anos atrás. Claro, todos temos os nossos limites que podem ser dor, rejeição, um mau dia, etc...
O melhor é não nos deixarmos impressionar, porque isso é uma das coisas que não podemos controlar...
Não te assustes, o teu pequeno tem a ti!!! ;)
bjokas

Nikky disse...

Pode, precisamente por tudo isso que referiste. Já vi muitos casos do género. Um deles correspondia praticamente a uma mudança de personalidade e devido a um acidente de viação que lesou o córtex frontal. Além disso, todos temos um "gatilho"...