11 de abril de 2014

Semanário de gravidez #11

Estou praticamente a chegar às 30 semanas. Isso significa que já conto com 3/4 de gravidez passada... mas já?! No entanto ainda faltam 10 semanas... dois meses e pouco, mais coisa menos coisa. E visto assim, até parece uma eternidade...

A segunda sessão da educação para a parentalidade revelou-se bastante mais útil que a primeira, uma vez que se debruçou sobre amamentação, em relação à qual não tenho qualquer complexo, receio ou dúvida. Isto porque estou a contar que corra igualmente bem como sucedeu com o Falipe. Versou também sobre os cuidados a ter com a higiene do bebé nas primeiras semanas, e aqui sim, posso dizer que foi bastante bom fazer uma reciclagem aos meus conhecimentos... já nem me lembrava de questões como tratar do umbigo e é curioso como em apenas 5 anos mudaram teorias e técnicas sobre quase tudo. Uma que achei piada em particular prende-se com a forma de deitar o bebé. Quando o Falipe nasceu, tinha que ser virado de lado. Agora tem que ser de barriga para cima, com a cabeça virada para um lado ou para o outro... o que me faz uma certa confusão, porque fico com a sensação de que ainda podemos provocar um torcicolo ao miúdo. Enfim, logo se vê!

Quase toda a gente (leia-se mulheres) me pede autorização para mexer na barriga. Acho que qualquer dia vou começar a cobrar bilhetes, aposto que ainda faço bom dinheiro!

O bebé Ricardo mexe-se a bom ritmo, em alguns dias até demais. Reclama se não me sento reclinada na cadeira de escritório, o que torna complicado estar ao computador a trabalhar. Se começa assim de pequenino a ser rezingão e reivindicativo, estou bem arranjada.

Os pés já dão sinais de algum inchaço e a minha coluna começou a queixar-se se estiver muito tempo de pé e numa posição estática, porque afinal de contas tenho uma lombar problemática.

O saco da maternidade continua por fazer... apesar de ter praticamente tudo o que preciso para o poder fazer. A roupa de bebé está separada há semanas, à espera de dias de sol para ser lavada. A ver se deste fim de semana não passa! Rica mãe que eu me saí.

Noto que a minha vontade de estar no meu local de trabalho é completamente inexistente. Se na primeira gravidez embirrei que iria trabalhar até à véspera do parto e levei a minha avante, desta feita admito que preferia estar entregue a costurar ou a tricotar coisas para este meu segundo filho, a preparar a sua chegada com calma e descontracção. Mas não se pode ter tudo o que se quer...

5 comentários:

gralha disse...

Não querendo assustar nem agoirar, a questão da amamentação não fica logo "arrumada" à primeira. A minha primeira correu 5 estrelas, a segunda nem tanto. Acho que isto é válido para tudo a cada novo bebé, as experiências do anterior não se repetem. Tudo é uma novidade, o que também é maravilhoso :) Beijinhos!

Maria Duarte disse...

Lá fora brilha o SOL ;))
Toca a lavar a roupa do mais piqueno!!

Eu, por essa altura, já o médico me tinha mandado para casa pôr de pernas ao alto a ver se a cachopa crescia!

Uba disse...

Sou apologista de que a mãe deve estar um bom tempo, em casa, sossegada, à espera do seu rebento. ;)
Beijocas <3

p.s.- tens razão, o tempo passa a voar!

Isilda disse...

Está quase:-)
Beijinho de bom fim de semana

Magda E. disse...

Eu sou outra, td bem que levo 2 semanas de atraso, mas ainda nem olhei para a lista da maternidade... ai jasú, daqui nada tenho o puto cá fora e tá praticamente td por tratar! lol