26 de fevereiro de 2014

Semanário de gravidez #5

A energia começa a falhar-me a certas horas do dia. Se até há uns dias atrás a sonolência me atacava mais ao final do dia, agora tenho verdadeiras "pedradas" de sonolência a meio da manhã ou da tarde...

Tenho dificuldade em concentrar-me. Falta-me a capacidade de raciocínio e a criatividade para produzir documentos de trabalho que devo produzir. As dores de cabeça começaram a dar o ar da sua graça, mas não têm graça nenhuma...

Começo a ficar ligeiramente aborrecida, com aquele tique de tremelique ao canto do olho esquerdo e o sobrolho levantado, essa minha eterna imagem de marca facial, sempre que me dizem: "ah a barriga está enorme! É que está mesmo grande!!" ou "já te pesa bastante!"... 
Não acho que a barriga esteja enorme, aliás, acho mesmo que na primeira gravidez por esta altura estava bem maior. E não, também não sinto que me pese muito, pelo menos a ponto de me sentir prostrada e a arrastar... A sério, deixem-se desse tipo de comentários!

Outra coisa que já me começa a incomodar é a mania que algumas das minhas colegas têm, quase incontrolável e compulsiva, de pôr as mãos na minha barriga e porem-se a fazer festinhas. A sério, eu sei que o fazem na melhor das intenções, mas aborrece-me que o façam!

Cá está outra vantagem de na primeira gravidez ter trabalhado quase sempre com homens. Além de eles exibirem aquele estilo paternal e condescendentemente protector, não sentem esta necessidade urgente de afagar a barriga da grávida!

O G. queixa-se que eu tenho mudanças de humor. No entanto, nos últimos tempos tenho-lhe visto surtos de mau humor, que me deixam a questionar-me se sou eu que estou grávida ou se ele é que está, assim por processo de osmose... 

O Falipe parece estar cada dia mais nas nuvens com a perspectiva de ter um irmão. Curiosamente refere-se a ele mais como bebé do que como mano ou irmão. Começou a falar para a minha barriga, conversa com o irmão e adquiriu o hábito de fazer-me cócegas na barriga e pergunta-me se o irmão sentiu. Fico deliciada com os monólogos dele, a contar-me o que vai ensinar ao irmão, os brinquedos que lhe vai dar para ele brincar. Já inventa diálogos entre ele e o irmão, em que a resposta do bebé resume-se quase sempre a "gugu-dadá". E eu derreto-me e fico profundamente grata pela meiguice e generosidade do meu rapazola!

8 comentários:

Paula disse...

Manda estampar uma t-shirt com a frase 'hands of please' e quanto às mudanças de humor diz ao teu G. que tem sorte em ser só durante esta fase porque 'conheces' uma maluca que tem disso o tempo todo e nem sequer está grávida ihihihihih

Beijocas xx

dona da mota disse...

Estás grávida, portanto. Parece-me tudo perfeitamente normal.
Eu não estarei mas a sonolência que me ataca hoje poderia ser um bom indício.
O R. chateava-se bastante por eu adormecer a meio das conversas. Mas a uma grávida perdoa-se tudo. Ahahahahah

Maria Duarte disse...

Tens mais uma quantas semanas de "desculpa" para os humores trocados, por isso aproveita.

Magda E. disse...

A parte boa desta vez não estar a trabalhar é que não passo o dia a ouvir comentários estúpidos! Mesmo assim, eu sou assim um pouco atravessada e já respondi a uma torto por ter quase gritado um "OUTRO?!" qd se apercebeu da barriga... Outro? Mas eu tenho quê 20 filhos? Ah, e dps há aqueles que acham que a G. tem só um ano e tal e mandam a boca... mas esses tem sido mais com o pai do q comigo.

desabafosemrodape disse...

Naná, eu "derreto-me" com este diário. adoro ler. não desistir desta atualização, por favor! beijinho.

Benedita disse...

E este é o lado bom de "estar fora" e regressar. Encontrar notícias maravilhosas como esta.
PARABÉNS querida! Que feliz estou!
Beijinhos grandes

Lacorrilha disse...

E eu cheia de genica. Hoje. Amanhã é outro dia.

Pés de Lã disse...

Ah os comentários....please!! Há com cada um..Enfim, quando mandam alguma boca, seja lá quem for, recebe na mesma moeda. Não há pachorra...as grávidas têm menos paciência e depois ainda são bombardeadas com comentários desagradáveis. Eu nunca escondi a ninguém que queria mais filhos, mesmo assim não me livrei do "outra vez??" ou "já?? mas estes ainda são tão pequeninos..!!" ou ainda "és maluca! a vida está tão difícil!" (como se eu tivesse ido bater à porta a pedir ajuda) ou ainda o sermão do quão difícil é criar bebés tão seguidos, principalmente vindo de pessoas que só têm 1 filho!(e isso eu não admito). Já vou no terceiro filho Naná...já não estou para engolir mais sapos, como engoli no primeiro..Força amiga :)