8 de dezembro de 2013

Fazes tanta falta!

4 anos.
Já se passaram 4 anos...

O que mais me ficou na memória foi o choro convulsivo em que me afundei depois de ter desligado o telefone com a enfermeira que me comunicou que tinhas partido finalmente. Aquele choro que me sufocava, que tomou conta de mim até me sentar prostrada no meio do corredor do apartamento.
Primeiro chorei de alívio, mas depois de dor... só de dor...

Fazes falta!
Fazes tanta falta!
A mim, mas principalmente ao teu neto. Que ia adorar ouvir-te contar as milhentas histórias que tu sempre contaste e que tão bem sabias contar. Todas aquelas histórias que faziam rir qualquer um e que deixavam qualquer um atento, para saber o desfecho!
Fazes falta para imitar um fado corrido, como quem imita um acordeão e com cujos os acordes eu cresci a ouvir-te.

E ter-te-ia feito tanta falta conheceres o teu neto, porque ele seria o tesouro no fim do arco-íris, que amenizaria um pouco a tua solidão, pela ausência da mãe.

Como não estás cá, tentarei eu contar as histórias que te ouvi desde criança... se bem que não terão tanta piada... mas ele saberá que era uma história do Vô 'Bel!

9 comentários:

gralha disse...

Um grande abraço, Naná.

Jardim de Algodão Doce disse...

Lamento tanto. E uns bons avós fazem-nos tanta falta, a nós e aos nossos filhos. Eu por mim falo. Mas a vida é isto! Um ciclo de nascer - viver- morrer. Um beijo no teu coração.

dona da mota disse...

Um beijinho! No coração!

A menina cos(z)e? disse...

Um xi-coração muito apertadinho, Naná! Beijinho

Magda E. disse...

um beijinho grande Naná! É assim que "não se morre"... continua a contar ao teu filho as histórias do avô...

Magda E. disse...

um beijinho grande Naná! É assim que "não se morre"... continua a contar ao teu filho as histórias do avô...

Uba disse...

Abraço!

miadosantos1 disse...

são dias de saudade. as histórias não vão deixar cair as memórias que ficaram e se vão perpetuar. beijinho.

Paula disse...

Um beijinho Naná...