1 de julho de 2013

"Acampamento cigano"

Gosto quando a famelga e amigos mais restritos se junta em festas.

Gosto da azáfama dos preparativos.

Gosto dos rostos sorridentes. Gosto dos sorrisos de quem apreciar juntar-se assim.

Gosto das gargalhadas e da barulheira dos adultos, que se sobrepõem ao ruído dos miúdos.

Gosto da partilha natural, de saberes, de experiências, de histórias de outros tempos.

Gosto das piadas galhofeiras entre uns e outros, na picardia inofensiva.

Gosto de ver os miúdos brincarem juntos, de fazerem queixinhas de uns e de outros, de os ver correr e saltar pelo quintal e às vezes pela horta dos meus primos adentro.

Gosto de me abancar e saber que se quiser comer, como e se não quiser, fico só na converseta.
Gosto de ouvir o D. Dinis dizer: "comam moços!" 

Gosto de ver a Albertina, do alto dos seus 80 anos, dobrar a espinha e tocar com as mãos no chão e dizer com a maior naturalidade que foi praticante de Tai-chi durante 4 anos. 

Gosto de sentir o quanto gostam de mim, sem reservas ou expectativas, a não ser estar presente e apreciar boa companhia.

Gosto de gostar deles todos, cada um à sua maneira e gosto de fazer parte desta família meio amalucada, que sempre que se junta, mais parece que monta a tenda do "acampamento cigano".

Saio de lá cansada, de rastos, mas de alma lavada e coração cheio!
Olho para o Falipe e percebo o quanto ele fica feliz por fazer parte disto tudo!

3 comentários:

Arco Iris disse...

É um gostar delicioso...também gosto.
Aqui a minha gente é ver quem fala mais alto.

Uba disse...

Tão bom esses ajuntamentos. :D

Tanita disse...

E sabe tão bem isso, nós no fim-de-semana também acampamos como ciganos e fartamo-nos de divertir... só é pena que em vez de descansar ainda nos cansamos mais, mas a alma lavada e o coração cheio, compensão isso tudo!