24 de agosto de 2011

Prioridades

tirada da net

Há dias lia algures um comentário sobre a acessibilidade a pessoas com deficiência. E assolou-me uma tremenda dúvida.
Em qualquer autocarro, há sempre um lugar reservado a pessoas com prioridade, nomeadamente grávidas, portadores de deficiência e idosos.
Imaginem que uma pessoa portadora de deficiência entra num autocarro e no lugar reservado se encontra uma grávida em fim de gestação ou um idoso que tem sérios problemas de mobilidade.
Quem tem prioridade neste caso?! Quem fica com o lugar?!
Também acredito que a probabilidade de uma situação destas acontecer seja algo remota, mas fiquei a matutar na coisa...

13 comentários:

mfc disse...

Bem... nunca tinha pensado no caso!

Alix disse...

também não sei como resolver...

bjs*

cuca disse...

É uma boa questão mas aí já tem que funcionar a regra da boa educação e do bom senso. Quem está sentado noutro lugar, e vendo que os lugares prioritários se encontram todos ocupados, levante-se e ceda o lugar a quem precisa. ;)

cuca disse...

Entretanto lembrei-me de uma situação que se passou comigo qdo estava grávida. Eu e o meu marido fomos jantar a casa de um casal amigo que vive no Bairro Alto. Estávamos em Fevereiro e eu estava grávida de seis meses. Como deves calcular o Bairro Alto é um inferno a nível de estacionamento, por isso, deixámos o carro no parque junto à casa deles. O lugar mesmo junto à saída era lugar prioritário, o meu marido estacionou, eu saí do carro e enquanto ele fazia a manobra o segurança veio ter comigo e advertiu-me para não estacionarmos naquele lugar. "Desculpe, mas eu estou grávida" e , duvidando da minha palavra, o segurança respondeu-me isto a rir-se "Sim, mas repare bem no bonequinho do aviso. São grávidas já em final de gestação. São grávidas de barriga grande." Abri o enorme casaco que tinha vestido mostrei-lhe a minha barriga e disse-lhe "Duvidou da minha palavra mas esta é a minha barriga de seis meses. Que eu saiba, a lei não se refere a grávidas de 9 meses mas sim a todas as grávidas. Por outro lado, o senhor não sabe se eu tenho uma gravidez de risco ao ponto de não poder subir e descer aquela rampa para estacionar lá em baixo. Mas tudo bem!" Mandei o meu marido tirar o carro daquele lugar enquanto o segurança se desfazia em desculpas ao mesmo tempo que nos dizia para deixar ali o carro. "Não! Agora não quero.", respondi-lhe furiosa, virei costas e esperei pelo meu marido que foi estacionar noutro lado cá fora à saída do parque. Depois desta situação, não perdoo quem está em filas e lugares prioritários e não precisa deles.

Naná disse...

Mfc, eu também não até ter lido o comentário de uma pessoa portadora de deficiência exactamente sobre uma situação parecida... no caso, a senhora que estava lá sentada não estaria grávida, mas colocou a questão ao senhor, quando este lhe exigiu que ela cedesse o lugar.

Alix, eu calculo que a forma mais fácil seria uma de bom senso!

Cuca, tens toda a razão... os demais também podem ser cívicos e contribuir para a solução. E sim, acredito plenamente que te tenha sucedido uma situação dessas, porque eu uma vez estava na caixa do Continente prioritária e exibia o meu barrigão (enorme mesmo) de 8 meses e as 5 almas que estavam à minha frente na fila nem se dignaram dar-me a prioridade que impunha aquela caixa. E a operadora viu-me e nem ai nem ui... quando chegou a minha vez, perguntei-lhe delicadamente se na caixa prioritária tinha que exigir a dita prioridade... a tipa teve a lata de me dizer que não me viu!

Tanita disse...

Oh Naná, acho que em muitos casos nem a boa educação prevaleçe. Aconteceu-me tantas vezes quando estava grávida, estar em filas prioritárias e as pessoas olharem-me por cima (não é dificil tu sabes como sou pequena) e a ignorarem a minha barriga. Por norma nunca estaciono em lugares prioritário quando vou com o Manel, tenho aversão e nem sei porquê.
No caso do autocarro, se isso acontecer, espero que alguém que não se encontre em nenhuma dessas situações, ofereça o seu lugar.

Manuela disse...

Querida Naná, numa sociedade normal, nem seria necessárias estarem assinaladas, estas prioridades. Na minha juventude levantei-me inúmeras vezes para dar lugar a pessoas que necessitavam mais dele, que eu. Mas agora os valores são outros, verdade?! :P

Alix disse...

hoje vi 2 homens jovens, sozinhos, a saírem dos lugares de estacionamento prioritário, para grávidas, pessoas com crianças ao colo e idosos, fiquei mesmo impressionada com a falta de civismo desta gente!!

Alix disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Alix disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Ana (A mamã é só minha) disse...

Este tema dá pano para mangas. Concordo com a opinião da Cuca e da Manuela.
Em relação ao relato da Alix e da Cuca, não me espanto nada. Já estive grávida duas vezes, e nunca me deram prioridade em lado nenhum, nem na Segurança social, com um papel fixado na parede sobre a prioridade. Como não tinha coragem de me acusar, como se não se notasse, era como se fosse uma situação normal, esperava pela minha vez, e era atendida.
Costumo de ir ao Pingo doce, e tem três lugares de estacionamento prioritário, agora a surpresa, estõão quase sempre ocupados, por pessoas como eu, sem problemas de locomoção.

Beijinhos

Naná disse...

Manuela, sem dúvida! Se todos praticássemos o civismo e o respeito pelos demais não seria necessário colocar sinais de prioridade... e sim, os valores hoje andam um pouco "subvertidos"... pelo menos pelos meus padrões.

Alix, isso é o prato do dia. Sem qualquer desprimor para quem é deficiente mental, mas eu costumo chamar a essas pessoas que não sabem respeitar os lugares reservados: "deficientes da cabeça"

Ana, também vejo casos desses todos os dias. Eu enquanto estive grávida nem sempre usei da prioridade, em certos dias, sentia que podia perfeitamente esperar a minha vez, mas ficava aborrecida quando tentava usar dela e era mal encarada. A gravidez não é doença nenhuma, mas aos 8 meses a coisa custa e pesa!

Caminhante disse...

Acho que se isso acontecer alguém se levanta para dar o lugar! Eu pelo menos levanto-me logo e nem penso no assunto!
Beijinhos