16 de agosto de 2011

Modo Lagosta (e as razões de cada vez gostar menos de praia)

É o meu estado actual... depois de uma ida à praia ontem de manhã,  na companhia da família e amigos.
Quando era miúda, adorava a praia! Ficava absolutamente efusiva de alegria por poder ir a um local onde poderia estar dentro de água horas a fio, até ficar em "estado ameixa mirrada". O que eu sempre gostei na praia foi a água limpa e cristalina e as ondas. 
A areia também me agradava, mas nada comparado com a água do mar!
Com a idade fui perdendo aquele desejo de ir à praia... pelas mais diversas razões. 
Devido ao meu gosto absoluto pela água, nunca fui de ir para a praia apenas para estar estendida ao sol, qual salamandra. Aliás, detesto mesmo! Faz-me cada vez mais confusão a ideia de ir para uma praia, apenas para estar a fritar, qual porco no espeto!
Depois, como nunca fui tão fã de areia como da água, detesto ir para a praia em dias ventosos, em que mais parece que fui lá comer areia ou fazer uma exfoliação natural ao corpo. Isso enfurece-me sobremaneira, e se vislumbrar um pouco de vento, é logo um "turn-off" para uma ida à praia.
Outra razão que me tem levado a fugir da praia são os magotes de turistas que rumam à minha região por estes dias. Eu sei que vivo numa região turística por excelência e que por cá se sobrevive à conta disso, mas desculpem lá se não aprecio o facto de não poder usufruir plenamente das belezas que tem a minha região, e na altura em que se deve apreciar, exactamente porque se torna impossível... não se consegue lugar para estacionar o carro, não se consegue um espaço em condições para estender as toalhas e espetar o sombreiro, e não se consegue ter paz e sossego dignos desse nome. Desculpem, mas é verdade! E eu sou cada vez mais adepta da paz e do sossego! Mesmo sendo "nativa" e conhecendo todas as praias recônditas da minha região, de há 4 anos a esta parte, todas elas deixaram de ser "secretas" ou "desconhecidas" e a paz e sossego que ainda encontrava em algumas delas, também se varreu...
A última razão que me leva a não ficar aos pulos de alegria perante a ideia de praia é a minha crescente incapacidade de tolerar o calor excessivo... esta tem sido mesmo a principal razão! A ideia de estar num local onde o calor abunda, faz-me ficar em "stress térmico" de imediato. Já não sou capaz de estar muito tempo debaixo de sol escaldante e prefiro a praia mais do fim de tarde, das 16h30 em diante, porque o calor vai diminuindo progressivamente. Por isto mesmo, não aprecio ir à praia de manhã, porque o calor vai aumentando e quando chega a hora de sair da praia, parece que o sol nos "estala o crânio"...
Mas por causa do F. e porque a família e amigos são fãs incondicionais de praia, lá contrariei a minha falta de vontade e fui! E estava uma manhã de praia espectacular! Estava calor, mas corria uma brisa refrescante e a água do mar estava fresquinha, o que me fez esquecer o quão "cor da cal" eu sou, e abusei da exposição ao sol. 
O F. estava super feliz e foi estrear o conjunto de pás e balde mesmo junto à "babugem" das ondas, e eu ali fiquei com ele, a construir uma piscina e um castelo. Nem sentia o calor, porque a água estava frescota e cristalina, mesmo a meu gosto. Fui dando uns mergulhos pelo meio e senti de novo aquele gosto que eu sempre tive pelo mar! Aquela sensação de "alma lavada" que sempre obtive em ir ao mar... aquela sensação de que o mar me leva os problemas e as preocupações e tudo se torna tão mais simples e fácil! Soube tão bem!
Cheguei a casa consciente de que me esquecera de usar e abusar do protector solar factor 50+ hipoalergéneo que fui obrigada a usar desde os 16 anos, por conta duma alergia provocada exactamente por um protector solar factor 20 de uma marca muito conhecida. E a "alergia" que tenho ao sol não se fez esperar... estava a ficar vermelhusca... estava a ficar "comichosa"... e a coisa foi escalando até ficar no actual estado em que me encontro: lagosta!! (e cheia de dores por ter a pele em modo "arrepelado")
Mas lá que foi uma manhã de praia espectacular, lá isso foi!

5 comentários:

gralha disse...

Deixa-me adivinhar: o estado lagosta é especialmente mau nos ombros, sina das mães. As melhoras rápidas :)

Tanita disse...

Ui, eu sei como custa. Só mais branca que pano demolho em lixivia e só uma coisa me faz passar e chama-se disoderme, para mim infalivel.
As melhoras!
Bj**

Manuela disse...

Querida Naná, sua malandra, sem usar protector!! Deixa lá que eu também cada vez gosto menos de praia... acho que é mesmo, porque sempre gostei muito de estar dentro de água e agora já não me sabe tão bem, tal como tu... :P

SofiAlgarvia disse...

Então, Naná, esqueceste-te da célebre frase do "nosso" (salvo seja) Zézé Camarinha - put-a-cream-number-five-you're-very-white ?
:)
Beijocas

Naná disse...

Gralha, acertaste na mouche! Os ombros são os mais desgraçadinhos...

Tanita, eu estou a safar-me com Biafine!

Manuela, é verdade... a culpa foi minha! Quem manda não usar??!! Mas eu continuo a adorar estar dentro de água, só não gosto de atravessar a areia para isso...

Sofia, obrigada pela valente gargalhada que dei quando o vi esta célebre frase! Zezé Camarinha sempre a falar do put-a-cream!!