22 de outubro de 2015

37, a idade de ter juízo...!



Pois é, na semana passada, no dia 14 mais precisamente completei 37 anos.

Chegada a esta idade, não me sinto velha (apesar dos muitos brancos, muitos mesmo!) nem acabada ou com receio de que os quarenta estão quase aí.

No entanto, sinto o "peso" do peso excessivo e do efeito que isso tem na minha vida. Já não é a primeira vez que fico com excesso de peso, mas desta feita são já demasiados quilos. São os que ficaram da gravidez do Filipe (e que apesar de ter perdido mais de metade dos 18 kg...) e mais os do "luto adiado" do meu pai (quase 6 kg adquiridos em apenas 1 mês) e mais uns 3/4 kgs que ficaram da gravidez do Ricardo e que teimam em permanecer.

E sinto esse peso (cerca de 20 kg) de todas as formas, na imagem que o espelho me devolve, sempre com um queixo duplo, e a bóia de salvação que encima e se debruça sobre o cós das calças, mas também no cansaço permanente, que me deixa sem fôlego sempre que subo um ou dois lanços de escadas. E já nem falo nas dores e dorzinhas que parecem viajar por várias partes do meu corpo.

Chegada aqui, aos 37 anos, tornou-se por demais evidente que está na altura de tomar uma atitude, para bem da minha saúde e do meu corpo, à semelhança do que fiz no passado, quando senti isto mesmo. Não porque aspire a ser magra como as modelos das revistas, mas ambiciono e quero ser alguém que se sente bem com o seu peso e com o seu corpo e com a imagem reflectida no espelho.

Não fiquem já a pensar que me vou meter em dietas malucas ou coisa assim, vou sim mudar hábitos alimentares e reduzir consideravelmente no consumo de açúcar, que é e sempre será o meu calcanhar de Aquiles. Ter visto este documentário ajudou também a abrir um pouco a "pestana", mas sem qualquer alarmismo ou fundamentalismos. É bom termos consciência de certas coisas. Não me vou tornar vegetariana, ou vegan, ou abolir o glúten ou fazer a dieta paleo ou coisa que me valha. Vou tentar sim, manter uma alimentação equilibrada, evitando ingerir as quantidades descomunais de comida que embutia até há uns dias atrás e fazer escolhas saudáveis, mais na linha da dieta mediterrânica, que era a que sempre se praticou na casa dos meus pais, antes mesmo de ser considerada fantástica por toda a gente e mais alguma.

O exercício físico é algo a que quero voltar, depois de anos e anos e anos de inércia. Mas este capítulo é mais complicado de conseguir tendo em conta o meu contexto familiar e os horários do G. completamente irregulares e muitas vezes incompatíveis com os meus, e os meus horários e os dos miúdos...

Espero daqui por uns meses poder responder à questão que o Filipe me colocou há uns dias atrás e que apenas contribuiu para cimentar a decisão que tomara no meu íntimo, pois não só foi um murro bem forte mas ao mesmo tempo uma tremenda chamada de atenção:

- Mamã, quando deixas de ser gordinha?

Obrigada filho por seres sincero e verbalizares aquilo que a mãe está farta de saber e sobre a qual pouco tem feito... mas a mãe percebeu que tem que fazer algo sobre isso, por si mesma, para seu bem e porque gosta de si mesma!

8 comentários:

Maria Duarte disse...

As crianças não têm filtros...

Amigo Imaginário disse...

Coragem, Naná! Às vezes, basta mudar meia dúzia de hábitos para se começar a notar uma diferença. :)

Benedita disse...

E basta que te mentalizes. Aqui a Benny, já encolheu. Ao início fechar a boca custa, mas depois com o exercício a coisa ganha velocidade. :)
Bom fim de semana!
Beijoquinhas

Isilda disse...

Parabéns!!!!! (ainda que muito atrasos:-)
Para tudo há um tempo e a motivação certa... Beijinho de sucesso

Jardim de Chuva Prateada disse...

Parabéns atrasados. Qt. ao resto, é motivares-te. não é fácil, mas se meteres isso na cabeça, é só seguires em frente. Um beijinho.

desabafosemrodape disse...

Parabéns. E que essa vontade seja muita e levada a cabo com sucesso.
Beijinhos.

Paula disse...

Força Naná!

Que consigas concretizar os teus objetivos e te sintas com mais força e energia para aproveitar a vida em pleno com os teus lindos meninos!

Beijinhos xx

Ana Fernandes disse...

Provavelmente já conheces está história,
http://www.asnovenomeublog.com/2016/03/26-quilos-e-um-livro.html?m=1
Li este teu post e logo a seguir vi este e pareceu-me que fazia sentido partilhar a história de outra pessoa, na qual espero que te revejas um dia. :) força!