15 de dezembro de 2014

Patologicamente atrasada

A D. Vera, a senhora minha mãe ensinou-me a impoirtância de ser pontual. Ensinou-me através de exemplos, permitindo-me ir a casa de amigas, mas na condição de chegar à hora X. Sempre que me atrasava um minuto, isso significava que na vez seguinte não teria autorização para ir. E não adiantava atrasar o meu relógio...

Com esta educação, pautei a minha maneira de estar na vida, no que a horários dizia respeito. Até mesmo porque sempre detestei esperar pelos outros, e não gosto de fazer aos outros o que não gosto que me façam a mim. E se eu detesto que os outros me dêem seca...

Não sei a partir de que altura na minha vida comecei a ser incapaz de estar nos locais à hora marcada. Eu que sempre tinha praticado a pontualidade britânica.

Mas sei que após a maternidade, a coisa complicou-se... havia sempre um imprevisto qualquer, ou um obstáculo que me impedia de chegar à hora estipulada. Ou os meus cálculos de tempo de deslocação eram mal feitos, ou parecia que nesse dia todos os empatas se metiam na minha frente...

Por estes dias, sinto-me uma atrasada crónica! Ando sempre a correr daqui para ali e dali para acolá e nunca, mas nunca, chego à hora marcada. 

O que me enfurece! Comigo mesma, pela minha incapacidade adquirida de estar onde devo à hora que devo!

É como se corresse atrás das horas e dos minutos e eles a fugirem à minha frente. Sinto-me esbaforida a maior parte do dia e a correr atrás do tempo, como um burro corre atrás da cenoura pendurada na ponta da cana... 

Será que existe cura para esta patologia?!

5 comentários:

Paula disse...

Existe sim!!! É deixar os pequenos crescerem mais 3 ou 4 anos e depois volta a ser pacífico ;) Bjs xx

gralha disse...

Relaxar.
E a Paula tem razão, daqui a uns tempos a coisa melhora.

Joana disse...

Também acho que esse atraso se deve às contingências da maternidade. Há-de passar! Beijinhos5868

Maria Duarte disse...

Deixar de querer fazer este mundo e o outro é um bom começo.

Podes sempre deixar de dormir, e ganhas mais umas horas na tua vida...
Ou não.

Umas boas noites de sono (bem dormido) resolvem isso.

Magda E. disse...

acho que é algo que vem mesmo com a maternidade pois aconteceu-me exatamente o mesmo. Espero que tenham razão nos comentários acima e que daqui a um par de anos a coisa volte ao normal.