22 de outubro de 2013

Pelos caminhos de... Moura

Depois de Serpa, rumámos a Moura.
Por entre campos de oliveiras carregadas de azeitonas (umas maçanilhas outras de outra estirpe), os campos alentejanos a oferecer um festim visual a quem por ali passa.

Não pudemos explorar Moura como teríamos gostado, porque o tempo era escasso e o sol já ia a querer pôr-se, mas pude perceber que Moura é capaz de ser ainda mais castiça que Serpa. 
É igualmente pitoresca e mais uma vez as ruas todas aprumadinhas. 
Um encanto!

Só tive pena que o Convento das Dominicanas, no interior do Castelo, esteja em ruínas... mas é de louvar o esforço bem presente de tentar recuperar o património existente.




Convento das Dominicanas

Painel de azulejo nas ruínas do Convento das Dominicanas

Segunda Rua da Mouraria

O Palácio Gordillo é que dá pena estar neste estado... mas pelo que vi, já está planeada a intervenção para restaurar.

6 comentários:

Arco Iris disse...

Também conheço e....na força do calor, no Verão é mesmo muito quente.
Engraçado que de dia é muito pacato ,à noite sai tudo de casa.
Pessoalmente, prefiro Serpa.

desabafosemrodape disse...

as ruas são de facto muito bonitas, e o palácio merece bem uma intervenção.Portugal é mesmo um país lindo, só é pena o que lhe fizeram (ou que lhe deixámos fazer). boa semana.

A menina cos(z)e? disse...

De facto é uma pena ver o património português a definhar perante os nossos olhos. Lindas fotos de Moura. :) Beijinho

kuka disse...

Lá vai Serpa, lá vai Moura
As Pias ficam no meio!
Em chegando à minha terra
Não há que haver arreceio!

kuka disse...

As Pias eram mesmo pias de água, onde os animais bebiam durante o trajecto entre as duas povoações. Por isso ficavam a meio do caminho.
Foi a explicação que ouvi em Serpa.
Faz sentido.

Tanita disse...

Adoro Moura. Sabes que a familia da minha amiga Marina é de Moura? passei aí tantas férias de Páscoa, as festas da terra...que saudades**