2 de outubro de 2013

Do contra e de como a história se repete

Ouvia muitas vezes a minha mãe, esse poço de paciência e calma, dizer que eu "era do contra"!

Apesar de ter sido uma criança dócil e meiga (cof, cof... é o que todos na família dizem, e eu acredito!!) sempre fui voluntariosa e impulsiva, já para não falar da enorme teimosia em levar a minha avante!

Esta característica granjeou-me a alcunha de "furacão" na vida profissional, e fui muitas vezes apontada por ter um "feitio especial"... para serem polidos e delicados e não me chamarem de mau feitio.

Posto isto, dou por mim a descobrir no menino Falipe uma série de paralelos. Não querendo projectar nele as minhas características pesssoais, é um facto que ele é voluntarioso, teimoso e gosta mesmo muito pouco de ser contrariado.

Nas últimas semanas, tem sido uma constante estarmos os dois (com o pai igualmente) em extremos opostos de vontades, e apercebo-me que qualquer coisa que lhe peça ou que diga, as respostas costumam ser invariavelmente um "não!" e principalmente um "não quero!"... palavras que parecem estar sempre prontas a ser cuspidas em resposta a qualquer pergunta ou pedido que lhe façamos!

As refeições tornaram-se ansiosas, enervantes e carregadas de stress e frustração, num jogo absoluto de choque de vontades e de negociação, para ver se o convencemos a comer.

O vestir não é menos pacífico, com ele a inventar argumentos para não envergar um determinada camisola ou um certo par de calças.

O facto de em tempos ter sido assim, faz-me em algumas ocasiões ser mais branda, mas não posso deixá-lo levar sempre a sua vontade a bom porto, porque ao longo da vida, vamos ter muitos dissabores por não sabermos aceitar uma derrota ou uma contrariedade!

Se por um lado sei de onde lhe vem esta veia de menino carregado de vontades, também sei que terei que educá-lo para que aprenda que nem sempre as coisas correm de feição e de acordo com aquilo que queremos... 

Está visto que os contras são uma herança genética...

12 comentários:

Maria Duarte disse...

Eu sempre me apelidei de ser "do contra", muitas vezes, só pelo prazer de ser diferente.

O Homem cá de casa lamenta-se muitas vezes por ter duas mulheres em casa com um feitiozinho igual.

Acredito sim que está nos genes, mas atenua com a idade

Benedita disse...

É giro ver como nos reflectimos neles. É uma vantagem quando identificamos algumas similaridades. Creio ser mais fácil lidar com o que conhecemos bem. :)

Arco Iris disse...

Sem dúvida Naná que eles sempre vão buscar o feitio a um dos progenitores, neste caso à mãe.
Eu estou com a Maria, e muitas vezes estou a reviver a mãe ( menos no comer ) ela é muito melhor.

dona da mota disse...

Sim, é impressionante como o feitio é tão genético, apesar de tudo, ainda que o que vivemos enquanto crianças não tenha nadinha a ver com o que eles vivem, o feitio manifesta-se.

dona da mota disse...

Sim, é impressionante como o feitio é tão genético, apesar de tudo, ainda que o que vivemos enquanto crianças não tenha nadinha a ver com o que eles vivem, o feitio manifesta-se.

SofiAlgarvia disse...

Ser do contra nem sempre é "mau".
Dá trabalho, isso dá, mas também dá luta.
A Carolina quando tinha 4/5 anos e a ia buscar ao colégio, refilava sempre com a escolha do destino seguinte - se tinha que ir passar nalgum lado antes de chegar a casa, ela refilava porque queria ir já para casa; se eu ia logo para casa, ela dizia que queria ir primeiro "a um sítio"!

É caso para dizer:
- hay gobierno?
- hay!
- yo soy contra!!!
:)

luisa disse...

E também há idades mais propícias para ser do contra... :)

Mam my disse...

Também pode ser da idade... Eles passam por uma fase em que só sabem dizer não e em que estão constantemente a testar-nos os limites.
Se for da fase, depois passa, mas se for da genética, estás tramada!
Bjs

kuka disse...

http://treza.blogs.sapo.mz/13611.html

Naná disse...

Maria, pois eu sei que passa mais com a idade... eu pelo menos "abrandei"...

Benedita, por um lado é mais fácil, mas por outro é complicado sermos mais teimosas que eles...

Arco Iris, deve ser giro ver os paralelos entre a mãe e a neta :)

Dona da Mota, o feitio manifesta-se e de que maneira! Menos, please...

Sofia, é mesmo isso... no hay gobierno ;)

Luísa, ele agora está mesmo ao rubro...

Mammy, palpita-me que neste momento é a combinação das duas coisas: a fase e os genes... costumo dizer a brincar que "estou a pagá-las todinhas!"

Kuka, obrigada pela partilha!

Paula disse...

É preciso é calma... :)

Bjs

Paula disse...
Este comentário foi removido pelo autor.