27 de junho de 2013

Estranha serenidade

Este ano lectivo do Falipe não correu da melhor forma... 

A escolinha onde ele anda desde os 18 meses de idade, neste ano lectivo, não primou pela organização e muito menos pela qualidade do serviço. A sensação que eu e vários outros pais começámos a ter, até se tornar uma constatação da realidade, foi de que o serviço que pagamos se traduzia em cada vez pior qualidade e cada vez menos actividades desenvolvidas. 

Eu e o G. já havíamos decidido que este seria o último ano lectivo em que o Falipe iria frequentar uma IPSS a tempo inteiro e que iríamos inscrevê-lo no ensino público. 

Se já tínhamos esta decisão tomada, as várias situações desagradáveis que foram sucessivamente acontecendo na "escolinha" ajudaram a cimentar essa decisão e contribuíram para a total perda de confiança na instituição, especialmente ao nível da direcção pedagógica e de serviços e, consequentemente ajudou a que optássemos pela mudança de escola para prolongamento de horário, quando ele entrar no ensino público.

Amanhã será o último dia do Falipe na "escolinha" e eu tenho andado estranhamente serena perante esta realidade... na próxima semana ele irá iniciar o período de férias desportivas, para se ir já adaptando à escola que o irá acolher em prolongamento de horário.

Há dias caiu-me a ficha momentaneamente de que a partir de segunda-feira ele passará a estar a cargo de pessoas que não conheço... e senti um aperto no coração de mãe assumidamente galinácea... 

Mas se noutra ocasião similar, sofri horrores por antecipação e deixei de dormir em condições na semana que precedeu a mudança, desta vez, até parece que nada se irá passar. 
Se da outra vez saí da escola lavada em lágrimas por estar a mudar o meu pequeno filhote de escola, a afastá-lo das crianças que se tinham tornado seus amigos, desta vez sinto uma indiferença perante essa realidade, que até me assusta... 
Se noutras alturas pensava e repensava as minhas decisões e tentava antecipar todas as possíveis consequências de uma mudança por mim decidida na vida do meu filho, desta vez não o fiz... De alguma modo, a decisão que tomei baseia-se na convicção de que esta mudança será certamente benéfica para ele e contribuirá largamente para o seu desenvolvimento pessoal.

Talvez seja também a convicção de que o Falipe é uma criança que se adapta com uma facilidade incrível e até parece estar entusiasmado com a novidade de ir para outra escola.

8 comentários:

carla disse...

Devemos sempre confiar na nossa intuição, no noso instinto. Se já não tinhas confiança naqueles a quem confiavas o teu filho, só fizeste bem em mudar.

E vai tudo correr bem. As crianças têm uma capacidade de adaptação às novas situações muito melhor do que nós achamos.

sal disse...

Sou completamente fã do ensino oficial. Não posso estar mais satisfeita e já lá vão uns aninhos. :)) Boa!!!! :)))

luisa disse...

Também sou pela escola pública. Ele vai bem, estou certa. :)

gralha disse...

O instinto sabe muita coisa. E ele já está crescido :)

Paula disse...

Se o teu coração está sereno é porque sabes que é o melhor para ele... neste caso as coisas negativas na escolinha dele acabaram por te ajudar numa decisão que precisavas de tomar. Vai correr bem!!!

Tanita disse...

Vai correr tudo bem e se tu própria estás tranquila é porque foi a melhor escolha. Sexto sentido de mãe, nunca falha! e depois o Filipe é um menino muito inteligente e vai saber lidar muito bem com a situação.
beijos

blue disse...

NAná, posso saber que tipo de coisas negativas foram essaS?
Uba

Naná disse...

Eu sempre confiei no ensino público, a questão aqui era mais de receios (totalmente infundados) de que ele pudesse estranhar a mudança.