15 de outubro de 2012

Considerações de um aniversário - revisão em palavras

Planeamos tudo de véspera, à boa maneira portuguesa.
Em parte, muito devido à minha falta de inspiração e até mesmo vontade em assinalar a data com grande estardalhaço.
A decisão estava entre ir passear fora de portas ou ficar em casa e fazer almoço/jantar com núcleo familiar. Optei pelo primeiro e ir laurear a pevide, já que sempre fui rapariga aventureira e com gosto por conhecer novas paragens desde que regresse sempre ao ponto de partida, eventualmente.
O destino foi escolhido sem grandes investigações: Évora.
Preparei o farnel e o Falipe, enquanto o mais que tudo punha umas horas de sono no corpo, depois de um turno.
O plano não era rígido, por isso rapidamente decidimos almoçar umas febras em Portel, do que umas sandocas em Beja.
Fomos atravessando a planície, pontilhada aqui e ali por nuvens negras de chuva a despejarem esgarrões de água.
As febras em Portel estavam boas e não foram muitos caras. Fizeram uma sopa para a minha sogra em cerca de 15 minutos. Era puré de feijão... mas estava gostosa, segundo os seus padrões de exigência.
Há cerca de uma dezena de viadutos inacabados a atravessar aquilo que creio que viria a ser o IP2, ligando estradas que não existem, porque a EP ficou sem fundos para prosseguir obras. Daqui por uns anos, serão "achados arqueológicos contemporâneos"...
As nuvens negras decidiram presentear-me com uma bela chuvada à chegada da cidade, enquanto eu tentava ver o Templo Romano.
As senhoras que trabalham na Sé de Évora são mesmo dadas à simpatia... só por isso não paguei 3.50€ por pessoa para ir conhecer o seu interior.
O Palácio do Cadaval é propriedade privada e por isso custa 5€/pessoa, para conhecer a igreja e o palácio.
A Capela dos Ossos é algo de assombroso e vale bem os 2€ de entrada mais 1€ para a permissão de fotografar. São 5 mil ossos ali, tão bem arrumadinhos! Um altar à nossa finitude, à mortalidade, não como algo macabro, mas sim como algo natural.
Acendi 6 velas na Igreja de S. Francisco de Assis, porque apenas tinha uma moeda de 50 cêntimos. Mas eu só queria acender duas... 
Sem qualquer planeamento entrei no jardim público ao lado do mercado municipal. O sol começou a dar o ar da sua graça! Encontrámos faisões azuis e verdes, em cima das sebes, nos parapeitos de uma janela e em cima das arcadas de um antigo palácio.
Falipe na sua curiosidade natural decidiu tentar apanhar uma cagadela de faisão e ficou todo borrado nas mãos... o pai stressou por cinco minutos, mas depois esqueceu-se disso!
Recebi telefonemas de pessoas queridas!
Fomos até ao Convento da Cartuxa, mas funciona em regime de clausura. Quem quiser entrar, deve tocar o sino. "A Cartuxa não se visita", dizia na placa à entrada.
Regressámos ao Algarve.
Os montes alentejanos solitários nas planícies que na viagem de ida me pareciam idílicos, agora pareciam demasiado isolados ao pôr do sol.
Às 20h decidi que queria comprar um bolo de aniversário e soprar as velas, de preferências às 22h10, hora a que nasci.
Fui comprar o bolo e as velas. O bolo era de brigadeiro. Comprei as velas grandes e gordas. Comprei camarão black tiger, que estava em promoção. Comprei uma garrafa de Migas Tinto.
Recebi sms e desejos de parabéns no Facebook!
Jantámos um petisco e as velas foram sopradas às 22h05, depois do meu filho me cantar os parabéns e me ajudar a soprar as velas gordas. Pedi um desejo!
O Falipe disse a rir que eu era "palhaça" e eu beijei-o ternamente a rir!
O G. beijou-me e a minha sogra abraçou-me enquanto me disse que me considerava uma filha.

Espero que o meu desejo se concretize!

Aos 34 anos sou uma mulher feliz! 
Tenho quase tudo aquilo que sempre desejei!

7 comentários:

Jardim de Algodão Doce disse...

Adorei ler-te agora. Que bom! É bom de ver quando mesmo alguém que não conhecemos está de bem com a vida e é feliz com ela. Um beijinho e venham mais anos, bons e cheios de bons momentos.

Especialmente Gaspas disse...

As balanças são boas pessoas :))
Felicidades!

Melissinha disse...

aniversário fixe!

Arco Iris disse...

Boa escolha se tudo contribuiu para a sua Felicidade
Que a mesma se repita por muitos anos
Bjs :))

luisa disse...

Bonito dia :)

Naná disse...

Jardim Algodão Doce, obrigada!

Gaspas, gosto de pensar que sim :)

Melissinha, foi mesmo :)

Arco Iris, obrigada!

Luísa, :)

Tanita disse...

Parva como só eu, já estou de lágrimas nos olhos. Bolas, tiveste o melhor dia que poderias querer, mesmo sem o sol do ano passado. Tiveste junto daqueles que são a tua vida e recebeste o melhor do mundo: um beijo do teu filho e ainda com uma graçola, há melhor que isto?
Já agora, gosto muito de ti sabias?