17 de agosto de 2012

Cartas de amor

Quem nunca as recebeu?
Quem nunca as escreveu?

Há quase um ano, na "operação de limpeza" à casa do meu pai, fui encontrar uma carta que a minha mãe escreveu ao meu pai, quando ele esteve em Setúbal a tirar a carta de condução de pesados.

Desde então ando com essa carta na minha carteira, como se fosse uma espécie de amuleto...
 
Os meus pais já contavam com dois anos de casamento nessa altura, mas o conteúdo da carta, não podia ser mais delicioso e o exemplo daquilo que era o relacionamento dos meus pais, enquanto casal.
Fala de coisas quotidianas, sem grandes floreados ou palavras dengosas. 
Fala da vida diária no campo, dos borregos que nasceram e de combinações para ir à feira no domingo seguinte. Fala dos amigos e familiares e do dia-a-dia da minha mãe, sem a presença do meu pai.

Era um amor sereno, como sempre conheci aos meus pais.
Se sempre acreditei em amores para sempre, daqueles que só a morte separa, foi porque sempre vi isso nos meus pais e pude testemunhar, em primeira mão, que sim é possível amar alguém por anos e décadas. 
Sem grandes discussões, sem grandes desavenças, uma união carregada de respeito mútuo, de amor e carinho genuínos.



12 comentários:

life in paradise disse...

Tão lindo, que boa recordação!!
Adoro ver fotografias antigas, postais e cartas escritas pelos avós, tios e pais... sou capaz de passar tardes inteiras assim, sem dar conta do tempo passar!
Beijinhos do Paraíso :)

Paulo Nunes disse...

Por acaso nunca recebi nem enviei! recebi foi papelinhos a dizer "queres namorar comigo? SIM NÂO para meter uma cruz" haha :)

Uba disse...

Lindo post, Naná. Fiquei comovida.
Beijos

Carla disse...

Lindo sem duvida, e uma coisa tao rara hoje em dia.

Naná se eu fosse a ti guardava essa carta num lugar muito especial.

Eu tenho uma caixinha, onde guardo postais, cartas de pessoas muito queridas que já nao estao conosco.

E de vez em quando vou rever essa caixinha, entro noutro mundo sem duvida.

Que carta tao especial que aí tens. Beijocas e um optimo fim de semana xx

Lemon disse...

Bonito Naná :)
Nunca recebi uma mas gostava ;)
Besitos

migalhas disse...

Ola vim passar no seu blog , porque vi um comentário seu em outro blog por isso decidi ver seu blog e dar uma opinião sobre ele, sinceramente gostei muito mas muito do seu blog, e queria fazer um convite para voce visitar o meu para ler meus poemas http://assombrado-mc.blogspot.com faza bom proveito

Ana disse...

Que lido post, emocionante. Ainda bem que tiveste um bom exemplo.
Devido ao relacionamento dos meus pais, acreditava que nunca me ia casar, mas o destino quis que eu me apaixonasse à primeira vista (coisa que não acreditava). Também acredito que o nosso amor é para sempre e o meu marido também.

Imagino que apesar de ser para ti um amuleto, também deve mexer muito contigo cada vez que lês essa carta. Mas continuo a dizer que deve valer mais ter boas recordações, do que ter más recordações e nenhuma ligação aos nossos pais.

Força! Um beijinho e um bom fim-de-semana :)

Tanita disse...

Que lindo, lindo, lindo.
Acho que vou escrever uma carta ao João, só para o meu filho a encontrar mais tarde :) e pronto, dizer que o amo.
Bj** e bom fim-de-semana**

{entreter os dias} disse...

É por isso que me "obrigo" a enviar postais para amigos do peito quando estamos num sítio bonito e diferente e em épocas festivas e importantes. Assim ficaremos para sempre recordados. É tão lindo ver uma letra desenhada em papel.
Fiquei verdadeiramente emocionada com o teu post. Obrigada e como eu adoro cartas e postais... ...
Beijos daqui do norte *_*

Naná disse...

Obrigada a todos pelos comentários!

Realmente fui uma sortuda por ter tido o privilégio de viver nesta família :)

Em casa do meu avô ainda guardo duas caixas de sapatos com uma série de cartas de amigos dos meus avós e dos meus pais, pessoas que não conheci, mas que guardo para me recordar que eles eram pessoas acarinhadas. Há fotografias antigas e postais antigos que gosto de observar de vez em quando!

luisa disse...

Um post nostálgico e feliz ao mesmo tempo. Também tenho um postal que o meu pai enviou à minha mãe nos tempos de namoro. Só tem uma frase, qualquer coisa como "O amor é que venceu". Em tempos publiquei-o lá na esquina. :)

Melissinha disse...

lindo, lindo! Não há nada como cartas de amor.