9 de julho de 2012

Os Malaquias

tirada da net
"O coração do casal fazia a sístole, momento em que a aorta se fecha. Com a via contraída, a descarga não pôde atravessá-los e aterrar-se. Na passagem do raio, pai e mãe inspiraram, o músculo cardíaco recebeu o abalo sem escoamento. O clarão aqueceu o sangue em níveis solares e pôs-se a queimar toda a árvore circulatória. Um incêndio interno que fez o coração, cavalo que corre por si, terminar a corrida em Donana e Adolfo.
Nas crianças, os três, o coração fazia a diástole, a via expressa estava aberta. O vaso dilatado não perturbou o curso da electricidade e o raio seguiu pelo funil da aorta. Sem afectar o órgão, os três tiveram queimaduras ínfimas, imperceptíveis."

In Os Malaquias, de Andréa del Fuego (Prémio Literário José Saramago 2011)

O nome do livro chamou-me a atenção na barra lateral de sugestões do site da Bertrand.
A capa a fazer-me lembrar das casinhas de taipa empertigadas no cimo de um monte, como eu via quando era mais pequena na terra dos meus pais.
Assim que li a sinopse, a curiosidade tomou conta de mim e não descansei enquanto não o fui buscar.
Comprei-o antes de ir de férias e foi a minha companhia durante esta semana de descanso.
Não poderia ter escolhido melhor leitura para me acompanhar!
Uma história muito bem contada!
Daquelas que nos fazem querer ler depressa para chegarmos ao ponto final derradeiro e que depois nos deixam tristes quando descobrimos o desenlace do enredo.

2 comentários:

mfc disse...

Um livro é sempre um óptimo companheiro!
Beijinhos,

Arco Iris disse...

Sem dúvida que é uma boa companhia.
Também gosto.
Bjs :))