24 de novembro de 2011

Só eu sei porque não fiquei em casa!

Defendo o direito à greve, mas nunca o exerci. Para vos dizer a verdade, até me esqueci que hoje era dia de greve geral... só me apercebi quando cheguei ao trabalho...
Lembro-me sempre da minha mãe contar que apenas tinha feito greve uma vez na sua vida de funcionária pública. Foi trabalhar mas fez greve de zelo, ou seja, ficou lá o horário de trabalho, mas de braços cruzados, como forma de greve. Ela dizia que não tinha ganho nada com aquilo e que lhe tinham descontado o dia na mesma, obviamente!
E que desse dia em diante tinha optado por não fazer greve mais vez nenhuma.
Esta história ressoa sempre na minha cabeça quando ouço falar de greve... não condeno quem faz e acho muito bem que haja este direito consagrado, já que existem algumas pessoas cujas profissões no nosso país que não podem exercer este direito, porque lhes está vedado... 
No entanto, vejo sempre muito poucos resultados deste tipo de luta... 
Tenho cá na minha ideia que se todos optássemos por em Março/Abril não apresentar a declaração de rendimentos/IRS, era capaz de ser uma forma de protesto mais eficaz! Mas teria que ser todo o povo português contribuinte e pagante, em peso!! Se isso acontecesse estaríamos a passar uma mensagem muito mais clara à nossa classe política. A de que se querem o dinheiro dos nossos impostos, venham cá buscá-lo!!! Querem pagar a dívida e viver à custa dos contribuintes?! Então vão ter a tarefa dificultada... 
É claro que alguém vai já dizer-me que pagamos impostos no acto de compra da mínima coisa e que o vencimento que recebemos já vem com o débito do que foi deduzido em sede de IRS e de Segurança Social... mas não sei, acho que era de experimentar a ver se eles se aguentavam muito tempo sem os nossos impostos...! 
Também me vão dizer que a DGCI já tem um sistema informatizado que permite saber quem recebeu o quê e de quem... mas mesmo assim há muito menino a não declarar o que ganha... e que foge aos impostos... enquanto os outros pagam ao cêntimo, porque não conseguem fugir!
Não sei é só uma ideia em bruto...

4 comentários:

Kruzes Kanhoto disse...

Defendo mais ou menos o mesmo mas pela via do consumo. E, se o caso não se aplicará a quem ganha o salário mínimo ou pouco mais, não acredito que quem ganha mil, dois ou três mil euros não possa cortar significativamente o consumo e, consequentemente, fazer baixar a cobrança fiscal. Pela minha parte faço o que posso nesse sentido...

Paulo Nunes disse...

Nunca fiz greve na vida e novamente não fiz! :)

Tanita disse...

olha que grande ideia esta do IRS.

Magda E. disse...

concordo... nunca fiz greve, estou de licença de parto, mas se não estivesse tb não faria!!!