8 de novembro de 2011

Selos e missivas

tirada do Pinterest

Tenho saudades de receber cartas, daquelas que vêm pelos CTT e que o carteiro entrega, como se fazia aí há uns anos atrás!
Quando era miúda adorava ver a caixa do correio, e penso que não devo ser a única que tinha este sentimento na infância.
Gostava tanto das cartas, que um dos meus maiores prazeres era ir ter com a minha mãe ao trabalho quando saía da escola e chegando lá, ela tinha uma pilha de cartas do serviço público onde trabalhava, para abrir e dar entrada. Eu voluntariava-me sempre para pegar naquele "punhal" metálico e rasgar a boca dos envelopes.
Depois comecei a criar curiosidade nos selos que vinham colados, nos seus desenhos e ilustrações. Algumas delas eram lindas e decidi começar a coleccionar selos carimbados quando um dia me apercebi que circulava uma coleccção de selos com a imagem de todos os castelos de Portugal. Já não me lembro se consegui juntar todos, mas creio que não... O selo que eu mais gostava era o do Castelo de Almorol. Aliás, ainda hoje tenho como determinação ir visitar esse castelo, um destes dias.
Depois veio uma colecção de pássaros e mais tantas outras que a minha mãe me foi ajudando a juntar. Além de rasgar as cartas, recortava os cantos dos envelopes para guardar o selo já marcado do carimbo e levar para casa.
Quando fui preparar a casa dos meus pais para as obras, eis que esbarrei na caixa metálica onde os guardava. De imediato soube o seu conteúdo e abri a caixa expectante, a tentar perceber se os pobres duzentos e tal selos ainda se mantinham em estado aceitável, não fossem as traças ou a humidade e o bolor terem levado a melhor sobre os pobres selos que juntei com tanta dedicação...
Com o passar dos anos, tentei por uns tempos lutar contra o poderio das novas tecnologias, com os seus e-mails e afins. Por isso, durante alguns anos ainda me dava ao trabalho de escrever para cima de 15 postais por alturas do Natal, e aproveitava para fazer a boa acção e comprava postais à Unicef ou a uma associação de artistas deficientes.
Nunca mais escrevi cartas em papel, daquelas com intenção de enviar pelo correio a este ou àquela amiga... escrevo cartas sim, mas guardo-as num caderno, o que significa que se destinam apenas a mim ou a alguém que as encontre quando um dia eu desaparecer...
Às vezes lá recorro ao postal de aniversário, mas nem sempre os consigo comprar a tempo de enviar de forma a chegarem ao destino na data correcta.
Nos dias que correm, na caixa do correio apenas recebo contas para pagar e panfletagem... e hoje em dia, já nem as cartas com as contas para pagar trazem selos, é tudo franquias pagas...
Com sorte, às vezes a amiga N. que anda pelo estrangeiro envia um postal inspirador... ou encomendas com coisas giras, que amigos novos nos mandam!

5 comentários:

ESpeCiaLmente GaSPaS disse...

Tb eu adorava juntar esses selos, ainda os tenho e sempre que consigo um ainda o junto à colecção :))
Tenho várias cartas que troquei com colegas de escola,e amigas... guardei todas. Acho que o meu filho nunca deve trocar cartas como eu fiz!!
Também tenho saudades dos tempos em que aguardava que uma cartinha chegasse à caixa de correio!!

Turista disse...

Querida Naná, és a pessoas ideal para te juntares ao postalcrossing, da Pólo Norte! Ora espreita lá na Turista! ;)

AVOGI disse...

NANÁ
eu ainda recebo montes de correspondência, até o banco já me perguntou se não quero só via mail. e eu respondi: nao senhor. e continuo receber as minha scartinhas que adoro tanto
kis :=)

Tanita disse...

Já me juntei ao ao postalcrossing, da Pólo Norte faz o mesmo! ah sempre podemos trocar carta uma com a outra, também só recebo a mesma correspondência que tu!

Magda E. disse...

eu ainda tenho montes de correspondentes! Há uns bons anos tb colecionava selos, tinha milhares deles sem exagero de TODO o mundo. Uma tia ofereceu-me a coleção dela que já era enorme e tb fiquei com a da minha irmã... mas fartei-me daquilo tudo e acabei por oferecer tb...