1 de julho de 2011

A procissão ainda só vai no adro...

O novo executivo começou ontem a discutir o programa do governo que irá vigorar nos próximos tempos e já não sei quantas vozes se levantaram em desagrado perante o anúncio de um imposto que recai sobre o subsídio de Natal.
Posso afirmar com todo a certeza que não fiquei surpreendida, muito pelo contrário... já o esperava! E até certo ponto, estava um pouco a calcular que nos fossem "limpar" o subsídio de Natal no seu todo... 
E na mesma medida estou absolutamente convicta de que isto ainda não é nada... por mais que achasse que este país necessitava de mudar de "cor" a nível político, também nunca tive em boa conta a direita, a julgar pelas suas várias prestações em diversos governos...
No entanto, decidi dar o benefício da dúvida... e estou à espera para ver... 
Não fiquei propriamente irritada ou preocupada com esta história do imposto extraordinário, não recebo tanto de 13.º mês, compro menos prendas... 
Mas estou preocupada sim e seriamente (e eu detesto preocupar-me e sofrer por antecipação, prefiro gerir a coisa no momento!) com o aumento do IMI e com o levantamento das isenções a este nível, e principalmente com as subidas das taxas de juro...
É que a prestação mensal da casa tem que ser cumprida todos os meses e não é do subsídio de Natal que vou retirar o dinheiro para a pagar, é do meu ordenado mensal, que foi reduzido em 3% antes mesmo de ter assinado contrato... ou melhor, sofri um agravamento de 3% na taxa de retenção na fonte. O que me deixa algo perplexa, porque quando eu retinha 11% recebi sempre uma bela maquia de reembolso de IRS, o que será dizer agora que retenho 14%...
O que me aborreceu principalmente no anúncio desta medida de austeridade, supostamente a título extraordinário, foi o alvo a quem se dirige. Não sou economista nem percebo grande coisa de finanças públicas, mas uma coisa consigo perceber: quem paga a factura são sempre os mesmos, os que trabalham e fazem descontos (e que não conseguem fugir ao fisco). Enquanto isso, a banca nacional é injectada com milhões de euros, mesmo tendo registados outros tantos milhões de lucro e de dividendos... e ao que me parece, beneficiam regularmente de benesses a nível fiscal. Eles cobram juros elevadíssimos a quem lhes pede empréstimo, o que fazem à custa do dinheiro de quem tem algum investido, e a quem pagam juros magros para não dizer irrisórios...
Vão fazer mexidas nas leis laborais, de forma a facilitar despedimentos, com o intuito de promover a produtividade... o que para mim é uma anedota pegada! Um funcionário que se sinta na corda bamba, sempre à espera que lhe digam "porta da rua serventia da casa" não vai ser nunca mais produtivo... pode produzir mais, mas nunca melhor!
Mas esta é só a minha opinião e nisto da gestão e da economia não sou grande perita!...

6 comentários:

mfc disse...

Pois... eles ganharam, mas continuo a não encontrar ninguém que tivesse votado neles!!!!
Parece que interiorizaram há muito a vergonha do seu voto!

Tanita disse...

É para dizer: mais do mesmo.
Bom fim-de-semana **

Naná disse...

Mfc, pois acredito que encontres poucos a afirmarem que votaram no PPC e muito menos encontrarás a dizer que votaram no Portas... E sim, foi um voto envergonhado, mas motivado pela eterna vontade de poderem dizer mal depois, se a coisa correr mal...
Tanita, infelizmente sim... e arrisco-me a dizer que talvez venha a ser pior...
Bom fim de semana!

Manuela disse...

Querida Naná, mas da banca ninguém fala, nem os jornaus, nem TV, nada...
Quem se lixa (desculpa o termo), é sempre o mesmo!

Naná disse...

Manuela, pois por não falarem na banca é que eu falo, porque a ser verdade o memorando da troika (detesto este nome) eles vão ficar logo com 12 mil milhões dos 75 mil milhões... Bom fim de semana!

MARIINHA disse...

Olá Naná,
Começou bem. E mais dizia que não iria aumentar os impostas s/ o rendimentos das pessoas. Se os nossos problemas se resolvessem com o rombo que nos vão fazer ao Sub. Natal, ainda vá que não vá, mas sabemos que vai apenas tapar um buraco. Não acredito que consigamos dar a volta ao texto, terá de passar por outras soluções, não só para nós como para os que estão em situações semelhantes.

Beijinhos e bom fim de semana