27 de maio de 2010

"Des-avó-zados"

Há dias, enquanto conduzia, a minha mente passeou pelo vazio (um tanto perigoso, eu sei...) e apercebi-me que eu e o meu filho partilhamos uma coisa em comum...
Eu quando nasci já não tinha dois avós: a avó materna e o avô paterno.
O meu filho quando nasceu também já tinha dois avós a menos: a avó materna e o avô paterno.
Aos meus 3 anos perdi a minha avó paterna e o meu avô paterno ainda tive o tremendo prazer de conhecer e brincar e aprender tanto (e queria ter aprendido outro tanto ou mais...) até aos meus oito anos...
O meu filho perdeu o avô paterno ainda nem tinha completado um ano de idade, portanto nem se vai lembrar do avô Abel, da mesma forma que eu mal me recordo da avó Inácia...
Ao meu filho resta-lhe apenas a avó Conceição, que ele reconhece e bate palmas de alegria sempre que a vê...
Só não sei se ele vai ter o prazer de a conhecer e de aprender com ela e de rir das piadas espontâneas e tão simples dela!
Espero que possa pelo máximo de tempo possível...
Isto tudo porque um colega meu de trabalho me disse que tinha morrido a avó da esposa e ele já tem filhos... por isso, ao contrário de mim e do meu filho, há pessoas que hoje conservam avós e bisavós e nem se apercebem da sorte tremenda que têm de poderem conviver e conhecer os seus antepassados.
Porque eu tenho muita pena de não ter conhecido os meus... a generosidade e mau génio que caracterizavam a minha avó Alzira (de quem iria em principio herdar o nome, não fosse ela ter morrido poucos meses antes de eu vir ao mundo) e a boa memória e a pacatez do meu avô José.
Do que depender de mim, o meu pequenote há-de saber tudo o que eu sei da avó Vera e do avô Abel e o papá concerteza há-de contar-lhe tudo do avô Manuel.
Porque eu acho que importa saber de onde viemos!

4 comentários:

JS disse...

As minhas filhas também nasceram sem os avôs, paterno e materno, mas eu conto histórias e mostro fotografias. Mas doi-me imenso que o meu pai não tenha conhecido as netas.

Um abraço*

Naná disse...

Pois a mim o que me dói mais foi o meu pai não ter estado presente no primeiro aniversário do meu filho, que ainda por cima nasceu no dia de Natal. Faleceu duas semanas antes...
Mas ao menos tenho fotos do meu pai com o meu filho ao colo, para lhe poder mostrar!

Irremediavelmente Inconformado disse...

o meu avô paterno também se chamava Abel e o materno, Manuel!

O Abel tive o prazer de conhecer e conviver ate aos há 4 anos atrás. já o Manuel, um dia saiu de casa e nunca mais voltou, eu ainda não era nascido.

acho muito mau termos de crescer e desperdiçar tanto tempo até aprendermos a apreciar a presença dos avós!

Naná disse...

Inconformado, que coincidência engraçada... os nomes dos teus avós coincidem com os do meu fiho! :)
Também concordo... desperdiçamos muito tempo até percebermos que há coisas importantes que estavam ali mesmo ao lado...!